TAG Tudo menos livros

Oi gente, tudo bem?

Faz muito tempo que não respondo à TAGs (na verdade, agora que o blog está voltando à ativa). E hoje, para mudar um pouquinho, não responderei a uma TAG literária… como já percebemos pelo título. Vi lá no canal da JotaPluftz. E ela pegou desse canal gringo.

1. Fale sobre quais desenhos animados você gosta.
R: Gosto de assistir a filmes de animação (qualquer um rs). Mas desenho animado da TV, gosto muito de Bob Esponja e Os Simpsons.

2. Qual sua música favorita no momento?
R: Vixi! No momento, eu acho que é esta: “La La Land – City Of Stars“, na voz de Chase Eagleson. Isso porque nem assisti ao filme.

3. O que você faz por horas, que não é ler?
R: Por horas, eu não digo, mas comer HAHA. Mentira. Por horas, eu acho que é assistir a alguma série… Como Doctor Who, ou Modern Family (que descobri só agora e já viciei).

4. Diga uma coisa que você ama e seus seguidores vão se surpreender em saber…
R: Amo chocolate. Mas isso não é novidade. Eu amo também aqueles chocolates parafinados (guarda-chuva, moedinha, bolinha de chocolate) hahaha Fazer o que. Dizem que os “amantes” de chocolate tem gosto refinado, não é?! Que gostam de chocolate de qualidade, e blá-blá-blá. Não… Eu amo qualquer chocolate… Não tenho preconceito rs. / Outra coisa que amo é passar roupa! Assim eu boto as séries em dia 😉  (táticas, amiguinhos).

5. Qual é a coisa desnecessariamente específica que você gosta de aprender?
R: Qualquer coisa. Adoro aprender coisinhas novas.

6. Qual coisa diferente / bizarra que você sabe fazer?
R: Até hoje, sei colocar os pés na cabeça, tipo isso:

Meus pais acham “bizarro”, porque eu nunca fiz ginástica rítmica. Sempre fui um pouquinho elástica. E hoje, mesmo um pouco mais velhinha (poxa, tenho quase 28!), ainda consigo fazer isso =)

7. Conta uma coisa que você fez / criou no ano passado (se puder, mostre!)
R: Gosto muito de fazer Origamis. Então ano passado acabei fazendo um mini-presépio para minha sogrinha (que na época ainda não era sogra rs).

8. Qual é o seu mais recente projeto pessoal?
R: Terminar os projetos que já comecei rs. Eu fico bastante ansiosa quando começo uma coisa e não termino. Então primeiro terei que terminar o que já está começado.

9. Diga alto que você pensa com frequência.
R: Que sono / Que fome. E algo que infelizmente está ficando comum: que dor de cabeça.

10. Conte uma coisa favorita sua, bem específica.
R: Adoro colocar achocolatado no leite condensado, deixar no freezer e comer. Aqueles floquinhos de chocolate explodem na boca, que é uma delícia! hahaha

11. Por último, diga a primeira coisa que vem a sua mente!
R: placa.

Resenha – Caçada ao Maníaco do Parque

Olá pra vocês, tudo bem?

Hoje venho mostrar para vocês um pouquinho sobre um livro reportagem. Caçada ao Maníaco do Parque (Escrituras, 1999, 126 p.) é escrito por Luísa Alcalde e Luís Carlos dos Santos, dois jornalistas que participaram de perto das investigações e caça ao Francisco de Assis Pereira, o conhecido Maníaco do Parque.

caçada

A partir do dia 4 de julho de 1998, algumas mulheres começaram a desaparecer de alguns pontos da cidade, para serem encontradas mortas no Parque do Estado, uma área verde da zona sul de SP na divisa com o município de Diadema. No dia três de julho o Brasil havia disputado com a Dinamarca na Copa do Mundo da França, e as pessoas estavam eufóricas com a partida. Os policiais do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa também estavam excitados com o placar. Tudo estava ocorrendo bem naquela manhã de sábado, mas batidas desesperadas na porta arrancou o sossego dos policiais. Como que preparando para algo pior, havia a notícia de que um homem havia sido assassinado com disparos de arma de fogo numa rua próxima. Ao irem ao local, já receberam a chamada que daria início a semanas de perseguição.

Algumas mulheres com características físicas parecidas começaram a sumir de alguns pontos da cidade. Parentes e amigos das vítimas, sendo testemunhas, comunicavam à polícia de que essas mulheres se encontravam com um homem que dizia ser um fotógrafo que trabalhava para um catálogo de uma empresa de cosméticos. Com as pistas em mãos, chegar até Francisco de Assis Pereira não foi tão difícil. Difícil mesmo foi incriminá-lo dos assassinatos.

O que mais assusta durante a leitura não é a frieza com que ele mata suas vítimas, mas a loucura. Quando vemos que um assassino comete o ato, já imaginamos que ele seja frio.

” – Eu te amo tanto, só queria ter um filho com você. (…)

Para se livrar dele, ela lançou mão de uma atitude desesperada. Aproveitando-se daqueles instantes de delírio, tentou enganá-lo:

– Se você me amasse, não faria isso comigo.

– Cala a boca, não estou falando com você não.”

No final do livro temos uma “biografia” resumida de Francisco. Como foi sua infância, o que seus pais faziam, o que aconteceu para ele se tornar essa pessoa fria.

O livro é escrito como se fosse um diário, então temos as datas em que ocorreram as buscas, os crimes, inclusive com horários. E o ritmo da leitura é bem rápido, como se estivéssemos assistindo a um filme.

Título: Caçada ao Maníaco do Parque

Autor:  Luísa Alcalde e Luís Carlos dos Santos

Editora: Escrituras

Páginas: 126 p.

Resenha – Mutilada

Oi gente, tudo bem?

Enrolei muito para fazer essa resenha. Eu não sabia nem se eu conseguiria fazer, por causa do tema. Inclusive, já deixo um aviso: este relato é forte, e algumas citações que resolvi colocar são ainda mais. Então, se você tem um estômago mais fraco, pule as citações, ok?!

Aproveito também este post para desejar a todas que me leem, um lindo dia das mulheres. E que nós tenhamos força e coragem para lutar contra tudo e todos que insistem em nos oprimir.

kh

Mutilada (Rocco, 2006, 173 p.) conta a história de Khady, uma garota senegalesa, aos sete anos de idade, época em que ocorre o maior trauma de sua vida. Ela mesma quem irá contar sua história a nós. No Senegal, assim como em outras regiões da África é comum a prática da excisão (a retirada do clitóris da criança, ou adolescente).

“Duas mulheres me agarraram e arrastaram para o quarto. Uma, atrás de mim, me segura a cabeça e seus joelhos esmagam meus ombros com todo o peso deles para que eu não me mexa; a outra me segura os joelhos, com as pernas afastadas. A imobilização depende da idade da menina, e sobretudo de sua precocidade (…) Ela puxa com os dedos, o mais possível, o minúsculo pedaço de carne e corda como se cortasse um pedaço de carne de zebu. Infelizmente, é impossível para ela fazê-lo com um único gesto. Ela é obrigada a serrar.”

Segundo o costume, isso é feito para que a mulher perca a vontade de ter relações sexuais com outros homens, fora seu marido. Aos treze anos de idade, ela é praticamente dada a um homem que quer se casar com ela: seu próprio primo, distante. Há um “ritual”, onde o homem interessado em se casar conversa com o pai e o mais velho da casa; o pai conversa com a menina, dizendo que tal homem gostaria de se casar; a menina diz que sim (é obrigada a isso). Simples assim, veja só. Eles também acreditam que a mulher, ao menstruar, já está pronta para ser casada. Muito nova, Khady então é casada, tem filhos, e é obrigada a viver como uma mulher adulta. Sente vontade de brincar na rua com seus amigos, mas é proibida, afinal já é uma esposa, e pessoas casadas não podem fazer esse tipo de coisa. Mas se fosse só isso, tudo bem. O problema é que ela também sofre maus tratos nas mãos do marido.

“Eu teria desejado, é claro, que o futuro marido não fosse um desconhecido, gostaria de ser cortejada, convidada para sair, ir ao cinema com meu amigo – o sonho de toda moça. Mas, se questionamos o casamento com um primo desconhecido com outras mulheres, a resposta será sempre a mesma: – Vai amá-lo mais tarde!”

Khady Koita hoje é uma militante e está na ONU. Ela participa de Assembleias para o engajamento nas lutas pelos direitos das mulheres.

khady

Título: Mutilada

Autor: Khady

Editora: Rocco

Páginas: 173 p.

Entrevista com Isadora – Blog Vai sem Medo

Oi gente, tudo certinho?

Vocês se lembram da resenha do livro Cem dias entre céu e mar, escrito por Amyr Klink, que eu li faz pouco tempo? Enquanto eu lia aquele livro, era quase impossível não lembrar da Isadora, do blog Vai sem medo. Ela mora atualmente na República Tcheca, e tem 24 anos. Já visitou 42 países, e relata tudo em seu blog. Resumindo: ela é uma inspiração de liberdade. Adoro seguir seu blog, e toda semana dou uma passadinha por lá, para ver aquelas fotos maravilhosas!

11269476_1392887204375075_2158663411491888734_n

E acabou, que eu fiz uma entrevista com ela nesta semana! Vem ver!

Bibliotecária Leitora: Isadora, você tem um blog chamado Vai sem medo, onde conta um pouquinho pra gente sobre suas viagens em diversos países. De onde surgiu esta ideia de criar um blog para compartilhar as viagens?

Isadora: Eu sempre mantive um blog onde escrevia durante as minhas viagens, mas era privado, porque a minha intenção era apenas de “guardar” o que acontecia, como um diário de viagens mesmo. Com o tempo, fui recebendo cada vez mais perguntas, e-mails, mensagens de amigos e até de pessoas que não conheço perguntando sobre viagens, lugares, pedindo dicas… então resolvi publicar o blog para dividir as minhas experiências com todo mundo que busca este tipo de informação e quem sabe até ajudar de alguma forma.

BL: Você viaja sozinha? (Se sim) De onde arruma tanta coragem assim? rs

Isadora: Nem sempre, mas quase sempre! hahaha Na verdade, depois que eu viajei sozinha pela primeira vez, não parei mais. Jamais vou deixar de viajar (ou de fazer qualquer coisa) por falta de companhia e como muitas vezes fica difícil conciliar horários, dias e planos para viajar acompanhada, acabo viajando bastante sozinha. E em relação a coragem… eu sinceramente acho que o mais importante para viajar sozinha (o) é sentir-se bem consigo mesmo. Aí a coragem vem como consequência disso.

BL: Você é mochileira, ou viaja por causa de estudos mesmo?

Isadora: Eu moro fora do Brasil por motivos de estudos, mas as viagens que eu faço são, na sua maioria, como mochileira mesmo.

BL: Qual sua maior emoção ao viajar?

Isadora: Gosto de chegar a um lugar e me surpreender – o que SEMPRE é possível, por mais que se idealize algo antes de ir. Gosto de participar das atividades locais, conhecer pessoas, tentar “entender” o idioma de alguma forma (porque depois de viajar, o que eu mais gosto é de aprender idiomas :P) e realmente me sentir em sintonia com o lugar. Quando eu sinto que há uma identificação com o lugar, seja durante ou no final da viagem, é como sentir que eu alcancei algo importante, como um objetivo e eu acredito que essa seja a maior emoção durante uma viagem.

BL: Conte para nós um fato curioso sobre algum local.

Isadora: Na República Tcheca (e em alguns outros países europeus também), ainda existe um dia do ano que eles “queimam as bruxas”. As pessoas se reúnem, fazem fogueiras e queimam bruxas feitas de tecido, para celebrar o fim do inverno. No dia seguinte, a tradição é de beijar alguém embaixo de uma cerejeira. Como eles chamam, é o dia das “pessoas que se amam”.

BL: Conte um fato emocionante / inesquecível?

Isadora: Ah, eu poderia citar muitos! Mas um que me marcou muito e é provavelmente o mais inesquecível de todos, foi quando eu cheguei na cidade onde fiz intercâmbio na Nova Zelândia, aos 16 anos. Foi a primeira vez que eu viajei sozinha e fazer intercâmbio era o maior sonho da minha vida. Quando o avião estava descendo, comecei a ficar muito nervosa e com muito medo, me perguntava o que que eu estava fazendo ali (haha). Quando saí, a família que ia me hospedar por um ano estava lá me esperando e acho que foi nessa hora que finalmente caiu a ficha de que o meu sonho estava se realizando.

BL: Qual a sua dica para quem gostaria de partir em viagem?

Isadora: A minha única dica para quem gostaria de viajar é: vá. Hoje em dias as possibilidades são infinitas e para quem realmente quer viajar, dificilmente irá aparecer alguma dificuldade que não poderá ser superada ou resolvida de alguma forma. Escolha o lugar, compre a passagem (imediatamente, pra não mudar de ideia depois) e planeje bem. Leia muito sobre o lugar, se informe bastante mas não vá com opiniões formadas. Tenha a cabeça aberta e perca o medo. Quando se cria uma identificação com o lugar onde se deseja ir, tudo fica mais fácil. Mas acima de tudo, tenha vontade de ir e vá. Tem coisas que só o caminho mostra e ensina.

Gostou? Quer seguir a Isadora nas redes sociais? Tá tudo aqui ó:

Blog

Twitter

Facebook

Instagram

Pinterest

E-mail: vaisemmedo@gmail.com

Isadora, mais uma vez meu muito obrigada!

 

Pesquisa de opinião

Olá pra você!

Gente, eu estava dando uma olhada no que vocês mais pesquisam aqui no blog e me deparei com coisas interessantes rsrs

Vi várias pesquisas relacionadas à vida de autores, à trilhas sonoras de filmes, à filmes específicos… Por isso decidi fazer duas enquetes que estão logo abaixo.

Gostaria muuuito que vocês me ajudassem, respondendo às enquetes. É super rapidinho. E também serve para eu melhorar a qualidade do blog, de acordo com o que vocês procuram também 😉

A primeira enquete é o que vocês gostariam de ver no blog. E a segunda são gêneros que vocês preferem que eu faça resenha. Vocês podem escolher mais de uma opção, se quiserem.

E sempre, muito obrigada pela participação 🙂